ou lá.. ou cá..

ou lá.. ou cá..

dia sobre dia..
fico da janela..
distante..
vendo tudo acontecer…
 
ainda não desci para ser o acidente..
nem a vítima..
até paro para ver, o tumulto lá fora..
mas preocupação não me ocupa..
me ocupo por inteiro..
de ideias quase nítidas…
 
é que daqui..
o barulho não me embaralha..
então apago, presente, passado e futuro..
pois simples é..
tirar o dano, de não ter dano algum..
melhor ter e sentir feridas..
do que nada sentir…
 
então…
 
tá!
 
vou preencher esse quarto,
cantarolar o dia, saudar a noite,
estou para agitar este silêncio,
e aclamar aquele sol..
mas não o que ilumina,
e sim, o que aparece toda manha,
desde sempre,
desde o nunca..esse lume..
é momentâneo..
não reside aqui..
tens outra morada..
por que aqui..
é lugar de solidão..
e sem o vazio..
não sou completo..

Voltei, pois senti falta disso.

Pretendo ser mais cotidiano daqui pra frente, textos mais sensoriais, e menos rebuscados.

Respeito, respect, respeto ou 尊敬 como preferir…

Rótulos, rótulos e mais rótulos, é nisso que o ser humano popular se empenha, em rotular, e rir da cara alheia, sem um pingo de respeito, nem mesmo criatividade singela para desenvolver uma idéia própria, aceitando e protegendo uma causa alheia, sem ao menos compreender corretamente a causa que ele adere, e para enfatizar a falta de criatividade agressiva, digo-lhes que quase todos que rotulam sem muitos motivos agradáveis ao acusado, são leigos, analfabetos funcionais e pessoas que vêem seus pontos de vista, como os únicos a serem os CERTOS, e isso é totalmente egoísta, falar do que não conhece é ser egoísta, proferindo palavras de uma filha da putice grandiosa, com um único intuito; ferir, diminuir, inferiorizar, e principalmente diluir a fé do Hell, é ser EGOÍSTA.

O mundo é bem mais do que as pessoas vêem, o mundo gira e ninguém vê, o mundo flua, e ninguém liga.

E digo que entre nós o mundo é bem mais do que a aparência.

O mundo é bem mais que um estilo.

O mundo é bem mais que uma idéia ou ponto de vista.

O mundo é bem mais que você.

O mundo é bem mais que eu.

O mundo é mais que pessoas.

O mundo é cheio de pessoas.

O mundo é bom sem ódio.

O mundo seria ótimo com o respeito pleno.

E assim o mundo e as pessoas seriam melhores amando…

Um leve apelo aos tradicionais…

O pesco-tapa que faltava…

Assim como o Blues, o Jazz, e o Soul em sua total essência, o rock também está indo para o esquecimento popular cultural, e experientemente podemos ver da seguinte forma:

O rock não é mais o foco que as pessoas procuram como exemplo de musica popular, e junto disso vem sempre uma pergunta de quem observa isso tudo como um fã assíduo do gênero (assim como eu parcialmente sou). Por que? E a resposta pronta, enferrujada e ruminada dos metalheads vem a tona! A falta de qualidade dos “músicos hoje em dia, e exemplificam falando do pop com suas musicas comerciais e descartáveis que “embalam” multidões. E até hoje se diz isso, como uma regra ou trauma do ocorrido.

Mas meus caros leitores essa conversa é uma mentira clara. Tudo que os metalheads dizem  e pensam, não passa de arrogância, concordo com o fato de que o metal não é qualquer coisa, nem muito menos algo para ser esquecido, porque além de tudo para muitos hoje em dia o metal é um estilo de vida e até mesmo sinônimo de liberdade. Porem seus fãs se acham donos e chefões da musica, não respeitam opiniões alheias e seguem suas vidas assim, e consequentemente julgam tudo que é novo no cenário musical, principalmente quando vem escrito rock no gênero. E vejo que sempre vai  ser assim, e não só no Heavy Metal, no rock em geral, a eterna luta do velho contra o novo.

Porem jamais, meus assíduos ledores, vai deixar de existir quem lute contra a corrente pop e os metalheads arrogantes, tudo ao mesmo tempo, todos contra o mundo, para assim conceber uma seqüência quase bastarda do rock, contudo digo que existem sim, aqueles que respeitam o próximo como igual, e acho plausível quem o faz. Mas essa divergência toda só diminui e muito a popularidade do rock, sendo ele moderno ou tradicional.

Bom, Contudo. Eu, afim de definir toda essa algazarra musical, e objetivando unir os fã da nação “ovelha-negra”, e também mesmo sabendo que isso é utópico, pelo simples fato de sempre existir pelo menos um filho da puta no universo, que não respeite a opinião alheia, farei uma grande publicação sobre o assunto mais para frente, com detalhe infalíveis e convincentes a todos, menos os que tem a cabeça blindada, mas ai já não é de minha alçada.

Amigos.. adiós.

Despertar…

O despertar de minha benevolência…

A chuva, o frio, a falta de coragem, é disso que me consumo nos últimos tempos, me sinto de mãos atadas com fios de cabelo, gerando uma superfície de pensamentos que me faz pensar e pensar, sobre mim e sobre vidas alheias, as que se perder e as que se iludem.

Acho que a única coisa que me levou a escrever hoje, foi ver como tudo lá fora anda caótico e sem razão, pergunto-me coisas que responder talvez pareceria tosco e prepotente partindo de mim, por exemplo; se é de guerras e desrespeito ao próximo que o mundo precisa? Ou se as pessoas um dia irão respeitar a opinião alheia, sem odiar, sem reprimir.

Porem mesmo com toda essa preocupação; quase que inútil e vindo de uma certa inocência, não sou exceção a este tabu, esbarro quase sempre nessa corrente de ódio e revolta, vejo armas e armas em minhas mãos, e me sinto imponente na maioria desses devaneios banais.

E mesmo com tudo isso, ainda existe em mim, algo que beira a superfície da sanidade, e oblitera essa minha cede de seguir no caminho da arrogância; querer sair disso tudo é a resposta, estar em pé e acabar com a cólera que nos auto destrói e nos torna sanguinário, e muito além disso, lutar contra toda essa revolta; acabando com essa corrente que torna separar as pessoas, porem sei que é difícil faze-lo quando enxergamos tudo ao nosso redor, todas desigualdades, discriminações, injustiças, o pior de todos, os erros que o sistema gera em uma nação, dia pós dia, noite pós noite.

Mas mesmo vendo tudo de perto e sentindo na pele, a corrente do ódio, leve em consideração o que ganhamos e aprendemos com situações difíceis e amargas, do nosso dia a dia, é assim que trilho minha vida, pelo menos desde os últimos tempos, e seria interessante passar isso para frente. O mundo só tende a piorar, um exemplo atual e perfeito é o ano de 2011, que até agora se mostrou hostil para conosco.

Espero ter feito a sã filosofia que existe dentro de vocês ledores, vingar.

Aquele abraço para os traficantes! :P

O que podemos pensar de uma existência?

Será que um dia alcançarei a plenitude pacifica do pensamento?

Conseguiria eu, evoluir até o ponto em que todos estariam satisfeitos com meu modo de ver as coisas?

Ou todos teriam que pensar como eu para ver o que vejo?

Mas, e se avancei além do previsto, e estou muito distante dos pontos de vista alheios?

Bom, na verdade queria poder pensar assim, mas seria egoísmo e prepotência de minha parte, e além do mais, estaria voltando aos meus primórdios, sendo leigo e imaturo.


Prometo ser menos filósofo no próximo texto.. É que nasci assim.

Difícil se desventurar da essência..

Introduzindo o vazio…

O que falta hoje em dia?

Amor?

Respeito?

Humildade?

O que faria isso ser inibido?

A musica?

O sexo?

A extinção?

Existe então uma lacuna no espaço que diz respeito a isso?

Seria eu, capaz de dizer sobre?

E se eu simplesmente for mais um a expor um ponto de vista leigo e imaturo?

Seria possível melhorar cada estrela do universo e chegarmos a nós mesmos?

Mas o que é ser melhor?

“Vejo que tudo depende do ponto de vista, existem muitas estrelas nesse céu,

e para cada um existe um céu, e contudo, não é possível agradar a todos”.


Daqui em diante redigir sobre as lacunas existentes em assuntos cotidianos.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.